terça-feira, 25 de outubro de 2011




Eu não cavei teus abismos de mim. 
Fui teu abrigo, teu barco e lua cheia iluminando o caminho.

Você escureceu nosso afeto, minou nosso rio. 

Pra eu ficar, só precisava do seu toque-agasalho.
Você me deu um punhado de frio.




Marla de Queiroz
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...