segunda-feira, 24 de outubro de 2011


Estou nu diante da água imóvel. 


Deixei minha roupa


no silêncio dos últimos ramos.


Isto era o destino:

chegar à margem e ter medo da quietude da água.










Antonio Gamoneda,
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...