Estou nu diante da água imóvel. 


Deixei minha roupa


no silêncio dos últimos ramos.


Isto era o destino:

chegar à margem e ter medo da quietude da água.










Antonio Gamoneda,
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!