E vou-me embora com ar de borboleta triste, depois da chuva, e volto mais tarde de peito cheio de rosas.

Manuel Cintra
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!