terça-feira, 18 de outubro de 2011


devagar, o tempo transforma tudo em tempo.

o ódio
transforma-se em tempo,
o amor transforma-se em tempo,
a dor transforma-se em tempo.

os assuntos que
julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis
,
transformam-se devagar em tempo.


por si só, o tempo não é nada. a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe.

 
os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos.

os instantes do teu sorriso eram eternos.
os instantes do teu corpo de luz eram eternos.


foste eterna até ao fim.



José Luís Peixoto
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...