uma noite longa, pra uma vida curta:



Entre a saliva e os sonhos há sempre 
uma ferida de que não conseguimos regressar 

E uma noite a vida começa a doer muito e os espelhos donde as almas partiram agarram-nos pelos ombros e murmuram como são terríveis os olhos do amor quando acordam vazios.




Alice Vieira
5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!