Tudo quanto amamos ou perdemos
coisas, seres, significações – 
nos roça a pele e assim nos chega à alma, 

e o episódio não é, em Deus, mais que a brisa que me não trouxe nada salvo o alívio suposto, 

o momento propício e o poder perder tudo esplendidamente.



 Fernando Pessoa
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!