tendo a lua como testemunha, eu:


Cantei no frio da noite, à espera que viesses dizer-me que os vizinhos não conseguiam dormir. 

À espera que me viesses dizer que também tu te mantinhas de olhos abertos sem parar de me ver




Valter Hugo Mãe
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!