Pousei as minhas mãos num rosto
 e retirei-as feridas pelo amor.



Antonio Gamoneda






Agora, o esquecimento acaricia 
as minhas mãos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!