Minha alma está hoje triste até ao corpo.

Todo eu me doo, memória, olhos e braços.

Há como que um reumatismo em tudo quanto sou...


Fernando Pessoa
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!