Exasperava-se à míngua de frutos.
As abelhas, porém, enamoravam-se pelo perfume das suas flores.



Mário Rui de Oliveira




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!