deito-me a ouvir a chuva e o mar
deito-me a ouvir a tua voz


enches a casa vazia


e no meu peito
nascem estrelas.



Autor Desconhecido

5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!