Como se a alegria recolhesse a mão, pra não me alcançar.

Marcelo Camelo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!