Abraçava os travesseiros como se fossem o corpo dele, e chorava e chorava e chorava até dormir.
 
 
Caio Fernando Abreu. 
 
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!