Um esperava, o outro desesperava. Ambos haviam escolhido a sua sorte e haviam sido justamente condenados a suportá-la.


O Morro dos Ventos Uivantes
17 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!