terça-feira, 30 de agosto de 2011


Para cá e para lá
sempre se inclina ao vento o ramo em flor,
Para cima e para baixo
sempre meu coração vai feito uma criança
Entre claros e nebulosos dias,
entre ambições e renúncias.
Até que as flores se espalham
e o ramo se enche de frutos,
Até que o coração farto de infância
alcança a paz
e confessa: de muito agrado e não perdida
foi a inquieta jogada da vida.



Hermann Hesse



*Desculpem: mas essa semana está anormal quanto ao tempo... logo visitarei Vcs... Obrigada pela presença. Bjkas
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...