apagar-me

diluir-me

desmanchar-me

até que depois
de mim

de nós
de tudo

não reste mais
que o charme.



Paulo Leminski

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!