sábado, 23 de julho de 2011


Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena.


Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for.




E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.


Lya Luft




**A cada UM que aqui passa: essa semana está agitadíssima... Amanhã lerei todas as maravilhas que não estou conseguindo acompanhar... Obrigada pela presença e SONHEM! Bjs
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...