quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017


é este o sofrimento do Outono
o primeiro frio e a flor adiada
para um tempo que já não há-de
ser meu




Rosa Alice Branco

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017


A propósito de grandes épocas, vem-me à lembrança uma frase, que aliás o senhor conhece:

a história dá lições, mas não tem alunos.



Ingeborg Bachmann

domingo, 12 de fevereiro de 2017


"Eis minha epifania: quem era eu na sua vida, na minha vida, na nossa história?
 O que tinha restado de mim depois de viver tão imersa e imensamente o nosso encontro?
 E onde eu caberia nos seus planos do “eu vou fazer, eu vou realizar, eu vou conseguir, eu vou viajar”? 

E o que EU imaginava pro meu futuro? 

Simplesmente eu passei a morar no teu abraço e, depois de algum tempo, seus braços me acorrentaram e eu sufoquei minha respiração no travesseiro, noite após noite para que dormíssemos juntos na posição mais confortável pra você.

 Nunca pensei que alguém pudesse perder a própria identidade em tantas sutilezas. 

Deixei minha solidão de lado pra me sentir desacompanhada por mim mesma, ao seu lado.

Ainda vivemos. 
Mas um tempo de nós acabou. 
Uma fase precisa crescer. 
E amores grandiosos demais precisam de um mínimo de maturidade pra sobreviver.


Que assim seja!"



Marla de Queiroz

sábado, 11 de fevereiro de 2017

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017


“Quantos desertos tem o ser humano de atravessar ainda hoje!

 Sobretudo o deserto que existe dentro dele, quando falta o amor à Deus e ao próximo, quando falta a consciência de ser guardião de tudo o que o Criador nos deu e continua a dar”.




Papa Francisco

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017


Dizer um corpo. Onde nenhum. Mente nenhuma. Onde nenhuma. Ao menos isso. Um lugar. Onde nenhum. Para o corpo. Estar lá dentro. Mover-se lá dentro. E sair. E voltar lá para dentro. Não. Sair nenhum. Voltar nenhum. Só entrar. Ficar lá dentro. Em diante lá dentro. Parado.





Samuel Beckett

domingo, 5 de fevereiro de 2017


Habitamos

uma casa quando

a sombra dos nossos gestos

fica mesmo depois

de fecharmos a porta.




Margarida Ferra

terça-feira, 31 de janeiro de 2017


De algumas coisas, sinceramente, me envergonho. 


De outras, me perdoo.





Clarissa Corrêa.